O IMPACTO DA DISLEXIA NA LÍNGUA MATERNA E NA LÍNGUA ESTRANGEIRA (INGLÊS)

Sonia Harry Leite

Resumo


Este trabalho tem como domínio central o estudo da tipologia de erros característica dos alunos disléxicos tanto nas atividades de leitura e escrita na Língua Materna como na Língua Estrangeira. Mediante um estudo quali-quantitativo, através da observação direta destes alunos a frequentar o 2º CEB (Grupo Experimental, constituído por 12 alunos) e de alunos não disléxicos a frequentar as mesmas turmas (Grupo de Controle, constituído igualmente por 12 alunos), quer nas aulas da Língua Materna (LM) quer nas aulas de Língua Estrangeira (LE) (Inglês), assim como com o apoio de todos os materiais inerentes a este estudo, nomeadamente a matriz de observação e registo da tipologia de erros dados pelos alunos quer aquando do processo de leitura e escrita na LM quer na LE, a grelha de análise de erros/desvios aquando da leitura de um texto narrativo, foi nossa pretensão aferir se os alunos revelavam o mesmo tipo de erros aquando das atividades de leitura e escrita na LM e na LE.

Referências


AFFONSO, Maria, et al. (2011). Avaliação de escrita na dislexia do desenvolvimento: tipos de erros ortográficos em prova de nomeação de figuras por escrita. Revista CEFAC, 13, (4), 628-635.

BAPTISTA, Adriana, VIANA, Fernanda, & BARBEIRO, Luís. (2011). O Ensino da Escrita: Dimensões Gráfica e Ortográfica. Lisboa: Ministério da Educação.

BREWSTER, Amy., et al. (2002). Developmental febrile seizures modulate hippocampal gene expression of hyperpolarization-activated channels in an isoform and cellspecific manner. Journal Neurosciense, 22, 4591– 4599.

BREZNITZ, Zvia. (2009). The Origin of Dyslexia: The Asynchrony Phenomenon. In G. Reid, A. Fawcett, F. Manis, & L. Siegel (Eds), The Sage Handbook of Dyslexia (pp. 11-28). Thousand Oaks:Sage Publications.

BOCK, Robert. (2007). Why Children Succeed or Fail at Reading. Retirado de www.completelearningcenter.com.

CARVALHAIS, Lénia, & SILVA, Carlos. (2007). Consequências Sociais e Emocionais da Dislexia de Desenvolvimento: um estudo de caso. Psicologia Escolar e Educacional, 11 (1), 21-29.

CASTRO, São Luís, & GOMES, Inês. (2000). Dificuldades de Aprendizagem da Língua Materna. Lisboa: Universidade Aberta.

CATTS, Hugh, & KAHMI Alan. (2005). Language and reading disabilities (2ª Ed.). Boston: Pearson.

CÉSAR, Maria. (2000). Interacções sociais e apreensão de conhecimentos matemáticos: A investigação contextualizada. Educação Matemática em Portugal, Espanha e Itália. Actas da Escola de Verão. Santarém: SPCE/SEM.

COOK, Louisa. (2004). Basic facts about dyslexia and other reading problems. Baltimore: International Dyslexia Association.

CRUZ, Vítor. (2007). Uma Abordagem Cognitiva da Leitura. Porto: Lidel Edições.

DAL, M. (2008). Dyslexia and Foreign Language Learning. In G. Reid, A. Fawcett, & F. Manis (Eds.), Sage Handbook of Dyslexia (pp. 439-454). London, GBR: Sage Publications.

DAS, Jagannath, et al. (2010). Dislexia y Dificultades de Lectura: Una Guia para Maestros. Barcelona: Paidós.

ELBEHERI, Gad & EVERATT, John. (2009). Cross-Linguistic Research and Our Understanding of Dyslexia: The Case of Arabic. Perspectives on Language & Literacy 35(5), 41-42.

GILGER, Jeffrey. (2009). Some Special Issues Concerning the Genetics of Dyslexia: Revisiting Multivariate Profiles, Comorbidities, and Genetic Correlations. . In G. Reid, A. Fawcett, & F. Manis (Eds.), Sage Handbook of Dyslexia (pp.30-52). London: Sage Publications.

GIMENO, José. (2005). La educación que aún es posible. Madrid: Morata.

LOPES, Cecília. (2009). O papel do computador no ensino da leitura – um estudo comparativo entre duas estratégias (Unpublished master’s thesis, Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias).

MARTINS, Margarida Alves., & NIZA, Ivone. (1998). Psicologia da aprendizagem da linguagem escrita. Lisboa: Universidade Aberta.

MCKAY, Sandra. (2006). Researching second language in classrooms. The Reading Matrix, 8 (1), 192-196.

MENYUK, Paula, & BRISK, Maria. Estela. (2005). Language Development and Education: Children with Varying Language Experience. Houndmills: Palgrave Macmillan.

PRINGLE-MORGAN, William. (1896). A case of congenital word blindness. British Medical Journal 2, (1871), 1371-1378.

REBELO, José. (1993). Dificuldades da Leitura e da Escrita em Alunos do Ensino Básico. Porto: Edições Asa.

REID, Gavin, GRENN, Shannon, & ZYLSTRA, Corey. (2009). Role of Parents. In G. Reid, A. Fawcett, F. Manis, & L. Siegel (Eds),The Sage Handbook of Dyslexia (pp. 239-257). London: Sage Publications.

SELOKOWITZ, Mark. (2010). Dislexia. Alfrgide: Texto Editores.

SILVA, Ana. (2003). Até à descoberta do princípio alfabético. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian.

SUCENA, Ana, & CASTRO, São Luís. (2009). Aprender a Ler e a Avaliar a Leitura. O TIL: Teste de Idade de Leitura. Centro de Estudos da Crianças. Universidade do Minho: Almedina.

TELES, Paula. (2008). Dislexia: Como identificar e intervir. Dossier Perturbações do Desenvolvimento. Revista Portuguesa de Clínica Geral, 20, 713-730.

TORRES, Rosa, & FERNANDEZ, Pilar. (2001). Dislexia, Disortografia e Disgrafia. Amadora: McGraw Hill.

UNESCO (2005). Década da Educação das Nações Unidas para um Desenvolvimento Sustentável. Brasília: UNESCO.

VIANA, Fernanda Leopoldina, & LEAL, Maria. (2002). Avaliação da leitura no 1º Ciclo do Ensino Básico. Contributos para a validação de um instrumento de avaliação. Braga: Centro de Estudos da Criança da Universidade do Minho.

VELLUTINO, Fletcher, et al. (2004). Specific reading disability (dyslexia): what have we learned in the past four decades? Journal of Child Psychology and Psychiatry, 45 (1), 2–40.

WAGNER, Richard. (2009). Rediscovering Dyslexia: New Approaches for Identification and Classification. In G. Reid, A. Fawcett, F. Manis, & L. Siegel (Eds), The Sage Handbook of Dyslexia (pp.174-191). London: Sage Publications.

ZORZI, Jaime, & CIASCA, Sylvia. (2009). Análise de erros ortográficos em diferentes problemas de aprendizagem. Revista CEFAC, 11, 406-416.


Texto completo: PDF